Arquivo da tag: ironia

Meu olhar de saudade

É esse o perfume que me toca. Esse que acabei de sentir e que ainda sinto, mesmo que tenha sido semanas atrás. O cheiro que me proporciona coisas inimagináveis e que aguça a minha saudade a níveis estratosféricos. Meu ânimo aumenta, meu coração aperta e viro criança a cada 7 minutos pra depois voltar a ser adolescente. Meu discurso fica mais animado, mais esperançoso e minha sinceridade se manifesta de maneira intensa, pois pra mim a verdade sempre foi extremamente sexy. Fico bobo, tolo, patético e, talvez essa seja a única situação em que me sinto bem com isso. Minha cegueira se faz presente simbolizando não a razão das coisas, mas a emoção mais pura que possa existir. Fico assim, meio afeto e meio medroso, meio ansioso e meio desesperado.

Esse é o perfume que eu quero e sempre quis. E não me amedronta esse querer absoluto, precipitado e crescente. Pelo contrário. Me afirma e me deixa mais seguro sobre quem eu sou e quem eu sempre fui. As coisas conspiram pra que eu seja menos do jeito que eu sou. Mas de uma maneira irônica e cômica, eu ainda quero ser o que sempre sonhei, apesar dos desmandos da vida.

Eu tô indo cada vez mais longe e as coisas me levam cada vez mais perto. Acho que o segredo é esse: ir o mais longe possível pra voltar rastejando pra onde e pra quem a gente se sente em casa. Jamais subestimarei o destino outra vez.

Whenever, wherever ou just… whatever.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Autobiografia, impressões

Realidade

Minha realidade sórdida, redimida e exorcizada me mantém mais sereno que nunca. Meus acasos, minhas agruras, meu temperamento quieto e por vezes impassível me determina uma verdade muito mais engraçada que poderia supor. Minha angústia, superada por muito pelo amargo do acordar, me mantém célebre, onipotente ao espelho, narcisista na minha redoma, incomensurável dentro do meu poder. Não sei como, mas as intempéries do meu humor variam cada vez menos, meu centro tem se tornado maior, meu equilíbrio mais lúcido e minhas fraquezas mais fáceis de suportar. Medo já não há, receio tampouco e minha maior vaidade é supor o que tenho certeza que poderia fazer, apesar de negar veementemente tudo isso. O meu cigarro queima mais rápido, meu copo cede à minha sede com mais velocidade e demoro cada vez menos para saciar meu sono. Tenho me tornado cada vez mais impassível aos sentimentos alheios, sem esquecer meus princípios tão latentes, como sempre foram. Comecei a encarar a sociedade e os fatos que a acompanham como uma grande e enfadonha piada. E, na minha concepção impiedosa e irônica, é exatamente isso de que se tratam esses assuntos triviais. Não dou mais valor a coisas sem valor e nem menos valor ao que é genial. As coisas são o que elas são. E não valem nem mais nem menos por isso. Percebi que a minha loucura é fundamental, é sonora e que há coisas belas e escrotas na mesma proporção em tudo que se pensa ou que se faz.

É por tudo isso que toda noite eu saio por aí vestido de azul e com uma capa vermelha para lutar contra o mal e os maus, pois, após reler tudo que escrevi acima, tenho certeza de que virei um grande e mal amado super-homem.

Whatever hero

3 Comentários

Arquivado em impressões, Infamidades