Arquivo da tag: Pulga

O circo da pulga

Pula pulga, pula. Salta e batevoltaquica essa coceira da pata esquerda. Entre nos ralos pêlos da perna e sofregamente me sugue o sangue. Se lhe mato a fome a troco de algumas apupadas no local, você está perdoada. Desculpe tentar matá-la, mas o gesto por vezes abrupto é irracional. Não lhe mataria caso pedisse permissão, pois não é nada intencional.

Pulga, foge da minha mão.

Caso fosse um mero espectador, torceria por você contra mim. Torço sempre pelos subjugados e parasitas. Enfim, não meço esforços para a sua total e irrestrita satisfação. Se lhe fosse semelhante faria o mesmo, talvez numa perna mais bonitinha, mas, gosto, cada um tem um.

Não lhe julgo a atitude, lhe julgo a safadeza de não ficar pra ver. Seu prazer de pulga é enveredado pela sua forma prolixa de morder e não olhar o que acontece. Sinceramente, reveja seus conceitos. Nos meus momentos parasitas, sempre fiquei pra ver o que acontecia, numa mistura de medo e alegria. E se ainda fosse tão pouco visível como lhe é característica principal, seria ainda mais cara de pau. Morderia os lugares mais cabais, mais óbvios e deleitosos de sangue. Seria prazer do começo ao fim.

Se pulga eu fosse, causaria as maiores e mais prazerosas coceiras e saía de cada corpo felizão e de boca cheia. Portanto, aproveite essa brecha que lhe dou, mas não abuse em sua ceia. Uma mordida por dia e mantemos assim a diplomacia. Assim, você se sacia e eu mantenho minha sanidade conversando com você todos os dias. Ah, e me desculpe quando não volto pra casa, mas também não posso ser a sua única fonte de ideologia.

Vamos manter uma relação sadia, tá? Boa noite Pulga, boa poligamia.

Or not. So, whatever.

2 Comentários

Arquivado em impressões, Infamidades, Pura Estupidez

Mundo animal

Nunca tive espécie. Nunca fui catalogado. Nunca me deram nenhum nome esquisito, tipo, Whatevus Vieiras da família dos Flavius, subespécie dos Palavrinos. Ninguém define a cor das minhas coisas. Ninguém sabe das minhas origens e da minha raça. Nunca fui estudado. Nunca vivi em cativeiro e nunca soube exatamente qual era o meu habitat. Ninguém definiu qual o tipo de grunhido que sai da minha garganta e nunca tive pedigree. Nenhum cientista com PhD em porra nenhuma me inquiriu acerca de meus pensamentos. Todo dia aparece em algum lugar qual o tipo de ração exata para minha subsistência. Eu como num pote e bebo também num pote. Uso garfo e faca apenas por que me ensinaram assim. Sou homem, macaco, ogro muitas vezes e sensível outras tantas. Sou meio bicho do mato, sou meio animal de estima. Penso e logo não entendo o que aquilo quis dizer. Sou racional porque tenho razão, mas nem sempre. Tenho instinto, intuição e mesmo assim ainda ponho meu rabo entre as pernas quando faço o que não devo. Fico feliz em ver as pessoas que amo e faço festa quando tenho saudade. Quando fico doente me isolo, quietinho, e fico gemendo baixinho e sofregamente. Eu lambo. Peço carinho. Arranho. Mordo.
Tudo isso pra dizer que hoje, sem querer, eu lavei o cabelo com o shampoo da minha gata. Tô cheiroso e com o pêlo sedoso. Amanhã eu compro uma coleira com um guiso e saio por aí tilintando minha alegria, sem nenhuma pulga ou carrapato.

Whatever bug

9 Comentários

Arquivado em Autobiografia