Arquivo da tag: som

Shhh…

O silêncio, tão necessário em meio às grandes sinfonias desafinadas do cotidiano, também é extremamente útil pra se ouvir pequenos ruídos. Pergunto então – por que não calar tudo para ouvir as ondas do nada emitidas por ninguém, no encontro da ininteligibilidade com a falta de ressonância? Mesmo na vida habitual, onde os sons são todos, por que uma alma nobre não pode se dirigir a uma alma presunçosa na mensagem da mudez, na comunicação ansiosa de quem perscruta o buraco da fechadura da existência?

Pois só os inexatos e os inadequados não compreendem a eloquência do não-dito e se prendem ao superficial do transmitido expressamente. E, assim, jamais ouvirão o que é comunicado no ausente, o intercâmbio profundo do que se calou sem ter falado. Pois agora, mais do que nunca, entre os desentendimentos do enunciado e do expressado, vale é a mensagem em branco, descrita na tela em tinta invisível e lida por locutor mudo.

A moral contida é que só se comenta um silêncio com outro silêncio ainda maior, assim como só um imenso bocejo preenche um incomensurável vazio.*

O meu silêncio passa por outros estágios, ainda mais dissonantes. Perpetua-se o minuto que dura horas. A falta de barulho é transmitida em ondas curtas e, por incrível que pareça, nunca ninguém ouviu, nem mesmo eu que sou o eco daquilo que falo. Ali, parado e quieto, admiro a mais completa manifestação do sentimento humano: a falta e a saudade das coisas.

Whatever sounds

Anúncios

6 Comentários

Arquivado em Autobiografia, Citações, impressões, Introspecção, Millôr

Qual o tom?

Sob o som original de coisas que me emocionam eu escrevo essas palavras. Um Sol, um Si bemol esquisito, um aqui e muitas sétimas acolá eu deslizo meus dedos sobre o que me complementa. As variações impressionam, salientam e inspiram o talento e a pouca musicalidade que insiste em existir dentro do meu cérebro diapasão. O batuque é intermitente, a melodia é pegajosa e as muitas freqüências transitam no mesmo indiscutível quatro por quatro de minha existência. Sob nonas, quintas, terças e muitas feiras, os dias passam com a clave de um sol extremamente límpido e substancial. Em singelas seis cordas de aço ou nylon a arte influi na vida, nos gestos e atitudes que declaram a música como forma de expressão. Não toco, não canto, não me dignifico entre essa arte, mas compactuo em cada slide entre cada traste, meio tom sobre meio tom. Os dedos se colocam em maiores e menores, sustenidos transeuntes de um braço bêbado, dedilhando a ínfima teoria que pouco vale entre quem consegue fazer a diferença. Somos todos maiores, oitavos inspirados sobre uma das sete artes. Música não é e nunca foi poesia, pois é a mesma coisa. Nunca teve fórmula e, no entanto, é a maior fonte de expressão de qualquer idiota sem cérebro que continua freqüentando a segunda série após decorar a oitava, a sexta, ou a quarta sinfonia de um cidadão sem orelha. Música é alma e estado de graça, onde o desafino é erro cometido no cotidiano de quem mais importa na vida. Amor, ternura e sensibilidade que faz chorar quem prega e finge a dureza harmônica e cristalina sob qualquer outro aspecto da vida, onde o coração forja um paradido fajuto de baquetadas sem pegada alguma. É um mundo onde cifras, tablaturas e audições mais atentas desmistificam ídolos e apagam a admiração contumaz e desenfreada sobre qualquer ser humano. Há extraterrestres, sem dúvida. Há também pessoas frustradas, como quem vos escreve, que sempre sonhou em ser lírico, poético e numa simples tríade de palavras conseguir expressar um monte – ou poucas e singelas – notas que delimitassem a sutil diferença entre a emoção e a euforia.

Whatever tone

6 Comentários

Arquivado em Autobiografia