Arquivo da tag: saudade

Palavras que não dizem "ni".

Quanto sonho e quanta fala nessa tarde livre de fantasia. Quanta graça e quanto mistério depois da esquina de cada rua. Também precisa a lágrima achar um chão da mesma forma que a distância sempre encontra a solidão. Sufoca a gente de carinho e namora o futuro na viagem sem volta. O quão possível de brincadeira nesse jogo que passa além da liberdade se esgota e lambe dentro da natureza ardente e tenra de um lençol branco. Essa é a saudade simples e sábia de um órgão que simplesmente não pensa.

Essa espera que arde cega e sedenta no jardim do peito. Quanta fala e quanto sonho nessa noite ocupada de alegria. E se faço feliz meu mundo e encho de estrela meu céu, chego ao fim do dia sem nada pra lamentar ou pra sofrer. Nenhuma arte e nenhuma sorte me comove mais que a coxa quente dessa bela e provocante idéia. O que me chega macio e que me soa como uma música numa manhã de sol é a parte mais clara e devota de um dia comum que chega e que eu torço pra nunca mais ir embora. E a língua trabalha mesmo assim, sem fala e nem palavra. Meu quase corpo, esgotado de pudor e inocência, olha para o outro lado da margem, sem nunca avistar o mar.

Eu olho pra frente sem nunca ver o agora. Essa é a minha encruzilhada: Um caminho de 4 rotas que eu perambulo e docemente volto ao mesmo lugar, sempre pela última vez. É o encantamento e a magia da inconstância.

Whatever crossroad

Anúncios

3 Comentários

Arquivado em Autobiografia

Os olhos também envelhecem

Não vou contar aqui que viajei durante um mês por 8 países. Que falei e mal entendi 5 línguas diferentes e que conheci gente do mundo inteiro. Também não vou contar os apuros que passei e as coisas que, indiferentemente do país que estou, sou vítima ou vilão. Talvez depois.

Vou contar o fato que me fez sentir o que sou, literalmente.

Cheguei ao Brasil na segunda-feira, morrendo de saudade e de vontade de voltar. Fui às favas com meus sonhos europeus e interrompi, graças a Deus, esse sonho insípido e inodoro que tinha de habitar as terras do velho continente por puro desgosto desse nosso Brasil “3º. mundo”. Isso aqui é muito melhor, na minha humilde e singela opinião.

Voltei com saudade das pessoas.

Fui visitar minha avó, 96 anos, que mora sozinha e que nasceu na Espanha, um dos países contemplados e abençoados pela minha visita (sic). História pitoresca a da minha avó. Saiu de navio do porto de Cádiz aos 2 anos (1912) rumo ao Brasil. Ela, 4 irmãos e a mãe. Só ela e minha bisavó chegaram. O “resto” foi jogado ao mar durante a travessia. Só soube disso há um ano atrás e fiz questão de ir até lá e passar uma tarde inteira olhando para o porto que um dia foi o ponto de partida da minha história.

Voltei contente e feliz em poder dizer à dona Matilde que visitei a sua terra, nem que tenha sido por míseras 24 horas as quais passei, no mínimo, 16 bêbado. E só disse isso e mostrei uma foto da cidade, que, como ela mesma disse, não tinha lembrança alguma.

Com seu jeito tenro que só as vós têm, com seu modo amável que só as mães têm e com sua maneira que só as mulheres têm, ela me disse do alto de seus 1,50m:

– É filho, eu estou cansada.

E de dentro dos seus olhos não tão reluzentes quanto outrora, chorou o choro da vida, sabe-se lá pensando o quê.

E pela primeira, e talvez última, consolei minha avó cheio de lágrimas nos olhos, sabendo que os momentos passam, que a vida passa e que, apesar da beleza das coisas, a maior riqueza ainda está bem no fundo desses especiais e inesquecíveis olhos verdes.

I do care.

6 Comentários

Arquivado em Autobiografia, Introspecção

Um amigo!

Em um quarto de roupas verdes claras repousou meu último contato físico. Não transpareceu a morte ou sequer se ouviu um lamento. Esperança o cercava de todos os lados e jamais nos abandonou. Desde a sua última fala, que sussurrou ao meu ouvido com a cabeça apoiada em meus ombros e me dando um abraço, o meu silêncio se tornou a minha maior fé. O ato demorado de cerrar os olhos e calar nossas almas já dura tempo demais, mas continua enchendo o coração de amor e saudade.

E, na verdade, por trás dos olhos tão verdes quanto a roupa do quarto, ainda continua, de alguma forma, vendo e sentindo o que se passa entre nós. O entendimento do que aconteceu não é claro pra ninguém e é demasiadamente doloroso não poder interagir com quem é um sábio nessa arte. Interação essa que ultrapassa os limites do meio físico e das inúmeras gargalhadas que ouvimos sempre de forma tão concreta. E o sentimento é uma coisa difícil de ser compreendida. Tão difícil que extrapola a linha tênue do que é a vida e a morte, mas nos garante contornos intermediários desse parodoxo e nos faz viver indiferentes a essa situação. Cada qual que fez parte dessa vida exprime essa força de uma forma única, mas acredito que todos se ligam a ele em circunstâncias absolutamente singulares para remediar uma nostalgia tão latente.

Não são festas, encontros e muitos menos textos como esse que irão ajudar patologicamente ninguém, mas sempre tentamos, desesperadamente e de uma forma até egoísta, satisfazer esse nosso sincero ímpeto de ajuda. Guardamos na memória as melhores lembranças e lhe damos o reconhecimento tão merecido.

E se não pude fazer nada melhor para ajudar um amigo do que escrever essas linhas, peço perdão, mas dentro do mesmo coração que sente essa saudade imensa, também repousa o sentimento efêmero de que a vida continua. Sempre e pra todos nós.

Wherever you are

9 Comentários

Arquivado em Licença poética, Paz