Arquivo da tag: homenagem

Dia Internacional das Mulheres!

Mulheres, vou lhes dizer quanto eu as amo, pois de uma eu vim e vivo voltando pra elas. Nesse tempo que carece dum carinho, duma prece num sorriso e dum encanto. Mulher, imagina o nosso espanto ao ver a importância central e poder que vocês têm sobre nós. O que cresce tanto – entre outras coisas – é o silêncio mentiroso tão zeloso dos enganos, pois há de ser puro como o ar mais profano, pois há de ser medroso como a ansiedade que permeia eternamente a relação homem e mulher. Com elas aprendi muita coisa e vivo aprendendo cada vez mais. Foi o primeiro lugar – literalmente – em que estive e que saí sem entrar. Aprendi que vocês são tão burras quanto nós, tão estúpidas quanto nós e tão machistas quanto nós. Com a única e tênue diferença que vocês são muito melhores em todos os aspectos, pelo menos do meu ponto de vista. Como a graça do perdão feminista, por natureza, nos faz surgir o dia, cotidianamente com mais alegria. Nós faz aprendiz de vossa companhia que eu sempre quis, e, até infeliz, sou bombardeado pela vontade mais doce que sai de vocês. Sou um felizardo, que abastado por meio de originais e extremas demonstrações de amor, me faço senhor e refém ao mesmo tempo. Sou apenas um momento, vezes fúnebre, de louvor e amor que têm na exatidão mais sincera, uma espera que faz sentir dor. Sou servo, servido e refeição. Vocês têm a benção enorme e desesperada da judiação. Benefício tal que vocês usam cada vez menos e com menos precisão. Por isso, ao pensar em lhes escrever, o que me passa nas cabeças é o sentimento puro, efêmero e inerte de que vocês apenas são o eterno motivo de acordarmos todo dia com disposição. E nessa relação tempestuosa entre pau e boceta, entre o peito e as tetas, entre o sexo frágil e o mais frágil ainda, me mantenho do vosso lado, para quem sabe, no final, entendê-las. E, caso isso não aconteça, por acaso ou indiferença, terei como minha maior crença a certeza imutável de que sou louco. Assim como vocês.

Whatever woman

* Entenda paráfrases de Chico e vírgulas ao léu.

Anúncios

7 Comentários

Arquivado em Citações, Licença poética

Amor sublime amor

Nas últimas vezes ela tem sorrido mais. Tem estado mais simpática e mostra cada vez menos indiferença à minha constante e insistente presença. A procuro sempre que posso, olho fotos o dia inteiro. Tenho muita saudade e vontade de estar perto, mas, infelizmente, nem sempre posso. Ela, ao contrário, nunca me liga, nunca me procura e me trata muitas vezes com desdém. Mas apenas um sorriso seu me traz uma felicidade incontrolável e, ainda bem, difícil de digerir. Persisto em fazê-la me amar, como se isso fosse possível a essa altura. Ainda hei de conseguir. Seu olhar não demonstra gratidão pelos inúmeros presentes que já lhe ofertei. Inútil dizer que nunca ganhei nada dela, a não ser a sua insuperável forma de vida. Sua loirice de olhos azuis estonteantes me mata de ciúmes que reprimo veementemente dos pés à cabeça. Minha disposição com ela é interminável, algo que, até hoje, só ela conseguiu. A paciência não se esgota, brota do mais profundo e sincero amor que despendi a alguém que simplesmente não se importa. Muitas vezes isso não me basta e me afasta por poucas horas, mas retorno sempre sem nenhum arrependimento e com a imensa e imponderável saudade que me arremete desde que a conheci. Perfaço integralmente todos os seus passos, abraços e beijos econômicos ao qual tive a sorte de ganhar. Já vi e vivi situações com ela às quais, normalmente, deveria ter me causado nojo ou, no mínimo, certo constrangimento. Nem isso me afastou e dei ainda mais risada, apaixonado pelo seu jeito pouco ortodoxo de se comportar.
Continuo assim, um condenado a amá-la e com o desejo de que ela, acima de tudo, seja feliz. Felicidade esta que, hoje em dia, se resume a qualquer brinquedo colorido que faça algum tipo de barulho. E não me importa se ela dá bom dia à parede, beija o vidro e, rindo, tenta abraçar um raio do sol. Quisera eu fazer isso todo dia, sem nenhuma preocupação. No alto de seus poucos meses de vida ela é quase toda composta de choro, meiguice, sujeira e mimo. Merecidamente e com muito amor.

My Lu.

5 Comentários

Arquivado em Autobiografia